OFICIAL VOLUNTÁRIO

     Para o exercício do voluntariado sob o comando do Corpo de Socorristas do Brasil, todos os integrantes passam pelo C.F.O.V. (Curso de Formação de Oficial Voluntário), onde recebem treinamento de "Suporte Básico de Vida" - Atendimento Pré-Hospitalar Resgate.
     O curso oferecido pela entidade respeita o protocolo americano de atendimento pré-hospitalar. Nele o aluno aprende técnicas simples e eficazes de primeiros socorros e poderá ajudar vítimas portadoras de problemas clínicos ou traumáticos que ameacem a vida a curto prazo.

     Após conclusão e aprovação, o Oficial Voluntário desenvolve atividades voluntárias voltadas para a prevenção de acidentes diversos e preservação da vida, ministrando palestras em escolas, igrejas, universidades e empresas e prestando auxílio à comunidade em casos de calamidades e catástrofes.

::  ::  ::

Aptidões do Oficial Voluntário do CSB

Dentre suas principais aptidões, destacamos:

:: Avaliar com segurança o local do acidente, preservando a integridade da vítima, do socorrista e de outras pessoas, evitando novos acidentes e, se necessário, o acionamento do sistema de emergências.

:: Verificar e avaliar sinais vitais.

:: Identificar sinais de gravidade.

:: Colher informações do local do acidente e da vítima.

:: Utilização correta das manobras de liberação de vias aéreas e procedimentos para a ventilação da vítima.

:: Utilização correta da técnica de reanimação cardiopulmonar:como e quando fazer.

:: Controle de hemorragias.

:: Preservação do meio ambiente.

:: Orientação sobre técnicas preventivas de traumas, casos clínicos e acidentes domésticos.

:: Atuação em casos como desmaios, epiléticos, entre outros.

::  ::  ::

     Para aqueles que não se interessam pela área de Socorro e, ainda assim, querem participar, oferecemos outras oportunidades de prestar serviços voluntários.

Categorias:

:: Oficial Voluntário Operacional
:: Oficial Voluntário Especialista
:: Oficial Voluntário Capelania
:: Oficial Voluntário Eventual
:: Oficial Voluntário Ilustre
:: Oficial Voluntário Mirim
:: Oficial Voluntário Pessoa Jurídica (Empresa que Valoriza a Vida)

Clique aqui para ver as fotos

Inscreva-se aqui!

::  ::  ::

O que é Voluntariado

A importância do trabalho de cada voluntário:

     Nas igrejas, nos bairros e comunidades, nos grupos de auto-ajuda e nos clubes, nas associações culturais e esportivas, nas instituições sociais e nas empresas, um número imenso de pessoas ajudam umas às outras e ajudam a quem está em situação mais difícil. Ainda que não se chamem a si mesmos de voluntários.
     Ao doarem sua energia e sua generosidade, os voluntários estão respondendo a um impulso humano básico: o desejo de ajudar, de colaborar, de compartilhar alegrias, de aliviar sofrimentos, de melhorar a qualidade da vida em comum. Compaixão e solidariedade, altruísmo e responsabilidade são sentimentos profundamente humanos e são também virtudes cívicas.
     Ao nos preocuparmos com a sorte dos outros, ao nos mobilizarmos por causas de interesse social e comunitário, estabelecemos laços de solidariedade e confiança mútua que nos protegem em tempos de crise, que tornam a sociedade mais unida e fazem de cada um de nós um ser humano melhor.
     Pelos benefícios que traz para o próprio voluntário, para as pessoas com quem o voluntário se relaciona, para a comunidade e a sociedade como um todo, é que o voluntariado merece ser valorizado, apoiado, divulgado e fortalecido.

10 dicas sobre voluntariado:

1. Todos podem ser voluntários.
     Não é só quem é especialista em alguma coisa que pode ser voluntário. Todas as pessoas, capacidades, habilidades e dons. O que cada um faz bem pode fazer bem a alguém.

2. Voluntariado é uma relação humana, rica e solidária.
     Não é uma atividade fria, racional e impessoal. É relação de pessoa a pessoa, oportunidade de se fazer amigos, viver novas experiências, conhecer outras realidades.

3. Trabalho voluntário é uma via de mão dupla.
     O voluntário doa sua energia e criatividade mas ganha em troca contato humano, convivência com pessoas diferentes, oportunidade de aprender coisas novas, satisfação de se sentir útil.

4. Voluntariado é ação.
     Não é preciso pedir licença a ninguém antes de começar a agir. Quem quer, vai e faz.

5. Voluntariado é escolha.
     Não há hierarquia de prioridades. As formas de ação são tão variadas quanto as necessidades da comunidade e a criatividade do voluntário.

6. Cada um é voluntário a seu modo.
     Não há fórmulas nem modelos a serem seguidos. Alguns voluntários são capazes, por si mesmos, de olhar em volta, arregaçar as mangas e agir. Outros preferem atuar em grupo, juntando os vizinhos, amigos ou colegas de trabalho. Por vezes é uma instituição inteira que se mobiliza, seja ela um clube de serviços, uma igreja, uma entidade beneficente ou uma empresa.

7. Voluntariado é compromisso.
     Cada um contribui na medida de suas possibilidades mas cada compromisso assumido é para ser cumprido. Uns têm mais tempo livre, outros só dispõem de algumas poucas horas por semana. Alguns sabem exatamente onde ou com quem querem trabalhar. Outros estão prontos a ajudar no que for preciso, onde a necessidade é mais urgente.

8. Voluntariado é uma ação duradoura e com qualidade.
     Sua função não é de tapar buracos e compensar carências. A ação voluntária contribui para ajudar pessoas em dificuldade, resolver problemas, melhorar a qualidade de vida da comunidade.

9. Voluntariado é uma ferramenta de inclusão social.
     Todos têm o direito de ser voluntários. As energias, recursos e competências de crianças, jovens, pessoas portadoras de deficiência, idosos e aposentados podem e devem ser mobilizadas.

10. Voluntariado é um hábito do coração e uma virtude cívica.
     É algo que vem de dentro da gente e faz bem aos outros. No voluntariado todos ganham: o voluntário, aquele com quem o voluntário trabalha, a comunidade.

1998 - Promulgada a Lei do Voluntariado:

     A lei 9.608, de 18 de fevereiro, dispõe sobre as condições do exercício do serviço voluntário e estabelecem um termo de adesão.

     LEI DO SERVIÇO VOLUNTÁRIO
     Lei nº 9.608, de 18 de fevereiro de 1998.
     Dispõe sobre o serviço voluntário e dá outras providências.

     O PRESIDENTE DA REPÚBLICA
     Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

     Artigo 1 - Considera-se serviço voluntário, para fins desta Lei, a atividade não remunerada, prestada por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza ou instituição privada de fins não lucrativos, que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social, inclusive, mutualidade.

     Parágrafo Único: O serviço voluntário não gera vínculo empregatício nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim.

     Artigo 2 - O serviço voluntário será exercido mediante a celebração de termo de adesão entre a entidade, pública ou privada, e o prestador do serviço voluntário, dele devendo constar o objeto e as condições do seu exercício.

     Artigo 3 - O prestador do serviço voluntário poderá ser ressarcido pelas despesas que comprovadamente realizar no desempenho das atividades voluntárias.

     Parágrafo Único: As despesas a serem ressarcidas deverão estar expressamente autorizadas pela entidade a que for prestado o serviço voluntário.

     Artigo 4 - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

     Artigo 5 - Revogam-se as disposições em contrário.

Brasília, 18 de fevereiro de 1998; 117 da Independência e 110 da República.

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

:: :: ::

Dia Internacional do Voluntário

     As comemorações no dia 5 de dezembro, Dia Internacional do Voluntário, vêm crescendo no mundo todo.

     O Dia Internacional do Voluntário para o Desenvolvimento Econômico e Social foi criado em 17 de dezembro de 1985 pela Assembléia Geral das Nações Unidas. Tem como objetivo incentivar a participação voluntária no mundo inteiro.

     Na Resolução sobre a criação do Dia Internacional do Voluntário, a Assembléia Geral reconhece a importância do voluntariado e convida a todos os setores da sociedade - governos, organizações não-governamentais e a sociedade civil - a incentivarem e divulgarem o importante trabalho dos voluntários.

:: :: ::

Dia dos Grupos de Socorro Voluntário e do Socorrista

     Câmara Municipal de São Paulo promulga lei que Institui o Dia do Corpo de Socorristas do Brasil e dos Socorristas Voluntários. (Lei Nº 14.238 de 07 de Novembro de 2006).

     Inclui no Calendário Oficial do Município de São Paulo, faz saber que a Câmara Municipal de São Paulo, de acordo com o Parágrafo Sétimo do Artigo 42 da Lei Orgânica do Município de São Paulo, promulga a seguinte lei:

     Artigo 1 - Fica instituido o dia dos Grupos de Socorro Voluntário e do Socorrista, a ser comemorado, anualmente, no dia 09 de março.

     Artigo 2 - A data comemorativa de que trata o artigo anterior passará a constar do Calendário Oficial de Eventos do Município.

Câmara Municipal de São Paulo, 10 de Novembro de 2006.

O Presidente, Roberto Tripoli
O Secretário Geral Parlamentar, Breno Gandelman

DATA DE PUBLICAÇÃO: 14/11/2006